domingo, 19 de janeiro de 2014

SIMPLICIA





















.
.
Logo cedo a cidade começava sua rotineira agitação, suave, romântica, alegre e repleta de vontade de viver!

Batiam palmas à porta de casa logo às 7 horas da manhã e Olívia, a ajudante da casa, ia até o alpendre atender:

- Olha o leite,... leite fresquinho,... tem queijo, ... pamonha,... pão caseiro que a patroa acabou de fazer,... frutas,... verduras,.... !

Era o Seu Zacarias que vinha com sua carroça, de porta em porta, todas as manhãs, entregar o leite e os demais produtos de seu sítio. Ele nunca se esquecia de agradar as crianças das casas trazendo sempre algumas frutinhas, pedaços de rapadura, e tantas outras coisas que eram esperadas com muita ansiedade.

O dia começava maravilhosamente bem. E era assim todos os dias!

- "Mata que é bicho! Mata que é bicho! .. "tomara que chova 3 dias sem parar, cai água no esgoto e corre para o mar ... ! Mata que é bicho.... mata que é bicho !"

Era o velho Sr. Riccieri Bernini, um italiano de mais de 80 anos, chegando à sua lojinha de artigos domésticos com aquele velho paletó de brim cáqui, chapéu de feltro,.. e um largo sorriso,... sempre brincando com as pessoas que moravam vizinhas e às outras que passavam!

Sr. Riccieri era muito engraçado. Eu adorava aquele velhinho: ele falava sempre com um sotaque que eu achava bonitinho e ele, ainda, tinha um grande coração !

Eu ficava ali no alpendre, agarrado na mureta observando o movimento todo, enquanto Olívia preparava a mesa para o café da manhã. E ficava ali "meio escondido" esperando a Simplícia passar.

Simplícia era uma negra bem gorda que vinha todas as manhãs do Patrimônio, bairro onde morava,... não sei pra onde ia.... e eu queria brincar com ela. Ela sempre vinha toda desconfiada que eu fosse lhe “pregar uma peça” .

A cidade era dividida em duas partes: Antes da ponte do Rio era o lado da cidade, e após a ponte era o lado conhecido como Patrimônio, que assim era chamado porque ali ficava a Igreja principal e a casa Paroquial onde morava o Padre.

A cidade era pequena, muito pequena, simpática, alegre, maravilhosa...

Antes de chegar à ponte, ela parava na esquina e ficava olhando para o alpendre de minha casa pra ver se eu estava lá escondido!

E eu sempre estava lá. Ficava quietinho me preparando pra dar um susto nela !.

Não havia coisa melhor na vida que correr atrás da Simplicia e dizer: “Passo a morte, passo a morte. Agora a morte está com você!”

Ela corria gargalhando... mal conseguia correr de tão gorda. E quando eu conseguia “passar a morte” nela, meu dia ficava completo. Eu contava na escola pra todo mundo, como que se isso fosse a maior realização!

“Passar a morte” era apenas uma brincadeira que consistia em surpreender uma pessoa e passar-lhe a mão em qualquer parte do corpo e dizer “passei a morte” e essa pessoa teria que surpreender outra e fazer a mesma coisa senão ficaria com medo de morrer.

Simplicia, daquele tamanho, dificilmente surpreendia alguém, pois se a pessoa percebesse e saísse correndo, ela não iria conseguir transferir aquela sorte para a outra e assim ficaria triste o dia todo.

Não sei quem inventou essa brincadeira. Eu só me lembro que foi a Simplicia quem me passou a morte pela primeira vez. Eu devia ter uns 7 anos de idade e ela talvez uns 15 anos.

Seu pai, o Seu Zito, vendia doces e amendoins. Era muito amigo de meus pais. Sua família era muito simples, muito humilde. Lembro-me que tinha muitos filhos. Eles moravam numa casa simples com um quintal enorme com muitas árvores frutíferas.

Meu pai me levava todo fim de semana na casa do Seu Zito pra tomar um cafezinho muito gostoso que sua mulher fazia, comer uns bolinhos,.... Eles tinham uma cisterna e meu pai levava sempre um balde grande pra pegar aquela água fresquinha, deliciosa. Eu achava que aquela água era “benta” e que curava muitas doenças.

Enquanto ficávamos ali sentados num banquinho ou no chão batido, a Simplicia estava sempre sorrindo e ameaçando correr atrás de mim pra me passar a morte. Eu “mijava” de rir com a Simplicia!

Aonde ela ia, todas as pessoas gritavam alegres pra ela:

- Oi Simplicia,.... oi Simplicia.... oi Simplicia !

Ela estava sempre sorrindo, gargalhando...!

Coisinhas tão infantis, tão bobas ... tão ingênuas,... tão puras !

Um dia Simplicia conseguiu me surpreender,... eu estava tão distraído que nem imaginava a possibilidade de encontrá-la aquele dia:

- Passo a morte! Passo a morte! Agora a morte está com você!

Fiquei assustado! Simplicia olhou-me bem fixo nos olhos, abraçou-me, beijou-me no rosto, acariciou meus cabelos... derramou lágrimas e me disse:

- Meu menino do coração, eu amo esse loirinho de ouro ! A Simplicia aqui adora você!

Ela foi indo embora para o Patrimônio enxugando as lágrimas,... andando e olhando sempre pra mim, acenando toda emocionada!

Fiquei ali parado olhando quieto...

Naquele dia eu não passei a morte pra ninguém. Fiquei o dia todo calado, só pensando naquele abraço, naquelas lágrimas, naquele olhar tão angelical da Simplicia!

Nunca mais passei a morte pra ninguém.

Passei a esperar a Simplicia com um sorriso, como um cachorrinho que ninguém sabe se vai fazer arte !

Ela me olhava desconfiada, vinha chegando bem devagar.... abraçava-me forte, dava-me um doce,.. um beijo e ia embora sorrindo e acenando com a mão!

Quando fiz 14 anos mudei-me para outra cidade. Não vi mais a Simplicia.

Um dia, alguns anos depois, voltei à cidade e fiquei sabendo que ela havia “partido para o Céu”. Bateu uma dor no coração daquelas ! Fiquei parado ali na ponte, naquele lugar onde ela passava sempre, observando aquela água clarinha e pensando na Simplicia,...

De repente, eu a vi caminhando em minha direção, descendo a rua lá do Patrimônio, toda feliz, de braços abertos, emocionada...

- Meu menino de ouro! Você voltou pra me ver.... voce voltou pra me ver! Eu estava esperando faz tanto tempo ! Senti tanta saudade de você !
SIMPLICIA

Ela abraçou-me forte, beijou-me e desapareceu ! Não sei como, ... mas desapareceu !

- “Simplicia,... eu sei que você está no Céu e sempre foi a minha Anjinha da Guarda,... eu só queria lhe dizer que minha vida é tão bonita quando me lembro de seu sorriso, do seu abraço, das brincadeiras, ... que o seu amor, por mim, por todas as pessoas, está selado para sempre em nossos corações.

Que o Grande Arquiteto do Universo por Sua Infinita Sabedoria e Bondade sempre a Ilumine e Guarde!”

Com muito amor e carinho,... do seu loirinho !

Raul de Abreu
2010

12 comentários:

  1. sandraglehn3 disse...
    Simplesmente maravilhoso...Emocionante!
    Tio Raul, você escreve muito bem!
    Beijo
    8 DE OUTUBRO DE 2007 21:40

    ResponderExcluir
  2. Zezeh
    Nossa, isso é muito lindo!!!
    Li tudinho o que vc escreveu....
    Me bateu uma saudade^^
    Meus pais falam muito do Sr. Ricieri Bernini( a familia dele é amiga da minha)...Falando em Simplicia, lembro dela qdo eu estudava no "Alfredo Guedes" e sempre a via!
    Nossa, vc é um escritor já!!!
    Bju
    14 DE OUTUBRO DE 2007 07:13

    ResponderExcluir
  3. rodrigo
    Oi pai,
    Acabei de re-ler a estória e fui traduzindo para a Siff. Ela achou a estória muito boa :)

    Abração

    ResponderExcluir
  4. rodrigo
    Oi pai,
    Acabei de re-ler a estória e fui traduzindo para a Siff. Ela achou a estória muito boa :)

    Abração

    Siff e Rodrigo
    3 DE NOVEMBRO DE 2007 16:58

    ResponderExcluir
  5. oi, Raul
    voce mexeu com a minha memória da infancia.. lembranças de Tambaú!
    e me lembrei da Simplicia.
    Talvez vc não se lembre de mim...
    Eu sou a sandra, amiga da Bel e o do Paulo Rui. Foi ele que me passou o endereço do seu blog...adorei!
    Eis o meu:http://estouemqapcomavida.blogspot.com

    abraços
    14 DE NOVEMBRO DE 2007 00:19

    ResponderExcluir
  6. paulo
    Raul!
    Estava olhando coisas de Tambaú...achei sua foto, lembrei dos velhos tempos, fui em seu blog, mais Tambaú, mais reminiscências!
    Contei pra Sandra, pra Bel, dividimos.
    Saudades!
    pruifv@hotmail.com
    14 DE NOVEMBRO DE 2007 10:49

    ResponderExcluir
  7. Raul...
    Li sua historia...Que coisa!Acho que todos nos temos uma Simplicia nas nossas vidas!
    Uma terna descricao de um momento realmente inesquecivel...Com certeza ela esta com o Grande Arquiteto do Universo cuidando de voce e dos seus,um Anjo da Guarda cheio de Luz e Amor...E tudo que nos precisamos,para continuar nossa missao aqui nesta Esfera,aguardando o grande dia ,quando estaremos nos encontrando com nossos Anjos da Guarda...onde,eu nao sei.Mas vamos estar com eles...
    Um abraco,Raul.Foi muito bom encontrar alguem como voce.
    Um abraco amigo.
    Cleide

    ResponderExcluir
  8. Estou relendo e matando saudade da doce SIMPLICIA. Também acabo de ler o livro A CABANA de William P. Young, que fala do relacionamento dos homens entre si e deles com DEUS. Simplicia relacionava-se com todos com alegria e amor. Nunca pude esquecer,... aliás eu sempre me lembro dela pois ela era muito feliz e levava esse sentimento a todos por onde passava. Precisamos muito amar e ser justos com as pessoas, conosco, com tudo.

    Agradeço os comentários dos amigos que leram e desejo a todos que Simplicia esteja sempre espalhando amor e alegrando o coração de cada um. Obrigado, com carinho, Raul de Abreu 10/04/2010

    ResponderExcluir
  9. Raul ,li , reli ,me encantei com sua forma clara e bonita de escrever ! Através de suas lembranças ,pude relembrar, me emocionar e dizer-lhe que naquele pedacinho nosso , muita coisa boa aconteceu e nos favoreceu para esta VIDA !!! muita gente boa, amiga e que realmente nos traz SAUDADE ! Você descreveu situações com a NOSSA SIMPLÍCIA que TODOS NÓS da época presenciamos e nos enriquecemos de várias maneiras... Obrigado amigo !! Abraços .

    ResponderExcluir
  10. Que texto lindo!!!! Bateu uma grande Saudades.
    Simplivia era apaixonada pelo E C OPERARIO . E eu e Soninha Teixeira loucas pelo E C UNIÃO, isso nos fazia adversárias , mas fora do jogo adoravamos estar com ela e compartilhar aquela alegria toda
    Obrigada por trazer de volta lembranças tão queridas. A foto está linda.
    Ps. "passa a morte que eu estou forte" assim era a brincadeira kkkkkkk

    ResponderExcluir
  11. Simplicia era apaixonada pelo E C OPERARIO , por ele brigava com quem fosse.

    ResponderExcluir
  12. Simplicia era apaixonada pelo E C OPERARIO , por ele brigava com quem fosse.

    ResponderExcluir