segunda-feira, 13 de setembro de 2010

UM AMOR EM PORTUGAL




anoitecendo em Braga  -  crédito da foto: accueil fotos

Meu bisavô, Manuel Gomes de Abreu, deixou a cidade de Braga por volta de 1850 com destino ao Brasil. Lá na "Terrinha" ele morava em um local chamado "Quinta dos Abreus".


Enquanto éramos crianças, sempre ouvíamos contarem sobre as maravilhas daquele lugar e imaginávamos algum dia durante nossas vidas, visitar nossos parentes Abreus que ainda residiam em Portugal, mais precisamente em Braga e na cidade do Porto.


Braga situa-se na região noroeste de Portugal e é a capital do Distrito de Braga, a mais antiga arquidiocese e uma das principais cidades do País. É uma das antigas cidades cristãs do mundo. Sua população urbana aproxima-se a duzentos mil habitantes, sendo portanto, o sétimo maior município de Portugal, incluindo a cidade e freguesias suburbanas.


Também é o centro da Grande Área Metropolitana do Minho, com uma população de quase um milhão de habitantes, sendo uma das áreas urbanas em maior e mais rápido crescimento e desenvolvimento na União Européia.


A cidade, como o resto do Minho, tem uma gastronomia riquíssima. E,... pra variar,... o Bacalhau assume-se como o prato principal de peixe favorito.


A Cidade ainda é famosa por suas inúmeras receitas desse peixe salgado, o bacalhau, comoo "Bacalhau à Narcisa", bacalhau à moda de Braga, e tantos outros, ... sem contar, ainda, o famoso arroz de Pato, as papas de sarrabulho com rojões e a famosa tripa enfarinhada, os farinhotes, os enchidos de sangue, o cabrito à moda de Braga, as frigideiras do Cantinho ou as da Sé, os rojões à moda do MInho, o frango "pica no chão", o vinho verde, o pudim abade de Priscos, o toucinho do céu, o bolo do rei escangalhado, fidalguinhos pederneiras, suplícios, paciências, entre tantas guloseimas que tornam a cidade de Braga conhecida internacionalmente como " A Cidade dos Sabores "


Mas,... não é só a gastronomia que destaca a cidade de Braga. A sua arquitetura é belíssima, a ordem, a limpeza, a higiene e o povo alegre e muito educado.


Fui até um restaurante para tomar algum lanche e perguntar aos nativos sobre os meus parentes antigos que viviam no lugar chamado "Quinta dos Abreus".


Eu não podia imaginar:  Logo que perguntei sobre o local, é claro, perceberam logo por meu sotaque que eu nada mais era que um brasileiro, que lá chamam de "BRASUCA".


- Ah,... então és um brasuca ? E tu vens cá a procurar por alguma herança ?
- Sim, meu amigo. Sou brasuca, sei lá o que isso significa para vocês, mas eu vim cá procurar os meus parentes e dar um grande abraço em todos eles.
- E de que familia pertences ?
- Meu bisavô quando deixou Braga em 1850, chamava-se Manuel Gomes de Abreu e morava em um local chamado Quinta dos Abreus !
- Ó Pá ! Então tu és meu parente. Tu és meu priminho brasuca, pois eu sou Antonio Gomes de Abreu e moro na Quinta dos Abreus. Nossa familia nem vai acreditar que após mais de cem anos, aparece um "Abreu desgarrado" !


Abraçamo-nos com muita alegria. Antonio pediu que preparassem umas vieiras, uma tal de tripa, que mais parecia uma "dobradinha brasileira", vinhos ... e sentaram-se outros portugueses que, alegres, começaram a brindar a chegada de um parente que havia se perdido do outro lado do mundo:   Eu !


De repente, entra no salão uma mulher de beleza estonteante:   Mariza !


Todos pararam de falar, cantar e beber.... Silêncio total para ver Mariza adentrando naquele recinto. Que mulher linda, maravilhosa, andar de modelo, jeito de boneca, olhar sensual, e cheiro de que " te quero todos os dias " !


- Olha aí o brasuca com a boca babando.... Tu nunca viu mulher, ó brasuca ?
- Sim primo, eu vi sim... mas essa mulher é a mulher dos meus sonhos ! Ela é casada, parente de alguém aqui, namorada, tem compromisso, alguém está interessado nela ?
- Podes olhar a vontade, priminho brasileiro. Essa mulher entra cá quase todos os dias. Tem uma graça no andar, mas nunca alguém conseguiu uma prosa sequer com a cachopa ! E, claro, não vai ser tu que vai conseguir !
- E eu posso tentar, primo ?
- Claro que podes. E se tu não conseguires, tu vais pagar toda a conta hoje aqui neste bar...


Não resisti e fui conversar com Mariza. Claro que eu estava muito nervoso.... Mas, eu não poderia de forma alguma deixar de conversar com aquela mulher encantadora, mesmo que fosse só pra dizer "olá, eu sou brasileiro,... muito prazer e até logo !"


- Olá, boa tarde. Com sua licença, gostaria de me apresentar...
- Jà sei ! Tu és brasileiro e queres me conhecer !
- Sim, sou brasileiro sim,... mas não é isso...
- Ah, tu não queres me conhecer ? Bem então,....
- Não, não é isso. É claro que quero conhecê-la ... mas não gostaria que se ofendesse...
- Não me ofendo. Vejo que aqueles outros, todos os dias me observam.... Mas só tu é que vieste aqui pra conversar comigo...rs
- Será que você se sentaria conosco para tomar um vinho verde e comer alguma coisa ? Acabei de chegar em Braga... meu primeiro dia... Gostaria muito que você me fizesse companhia... ! Meu nome é Raul Abreu.
- Meu nome é Mariza. Será um grande prazer sentar-me com o senhor !


Mal podiam acreditar: eu, um recém-chegado na cidade e já estava me entendendo com a mulher mais linda que eles já tinham visto. Por incrível que pareça, fui eu quem apresentou Mariza a todos os que estavam à mesa, inclusive Antonio o meu primo Abreu de Braga.


Convervamos e rimos bastante. Mariza, após uns trinta minutos, pediu licença pois tinha que retirar-se e foi dizendo:


- Perdoem-me amigos, mas tenho que me retirar. Com vossas licenças... Agradecida pelo convite.... E gostaria que o Senhor Raul pudesse jantar comigo esta noite...
- Mas é claro que sim, terei muito prazer. Como devo fazer ?
- Aqui está meu cartão. Favor ligar-me e combinaremos o local onde iremos. Gostas de bacalhau ?
- Adoro bacalhau... não vejo a hora de comer um bacalhau !
- Então espero-te as 20 horas.


Ela saiu tão linda quanto entrou. Dei um tapa no queixo de meu primo Antonio que estava de "boca aberta" de ver tão formosura ali dando bola para um estrangeiro recém-chegado...
- È brasuca, tu não negas o sangue que tens ! Tu és mesmo um Abreu... E vamos logo pra casa que o pessoal vai ficar muito feliz em conhecer o primeiro parente que volta para a "terrinha" em mais de cem anos !


Conheci todos os parentes. Uma alegria geral. Não faltou comida e mais comida... E eu ali aflito pra encontrar-me com Mariza.


- Primo Antonio,... tu me leva até o local do encontro? Depois eu pego um táxi de volta pra casa.
- Como dizem os brasucas que por aqui passam, primo.... "Tu é um grande safado: mal acaba de chegar à terra e  já vais te encontrar com uma linda mulher !" Ainda bem que tu tens o nosso sangue,... senão....
- Fique tranquilo, primo. Sou um Homem de Respeito.


Liguei para Mariza e fomos nos encontrar em um lugar que parecia um castelo. Não me lembro o nome porque a noite foi inesquecível ao lado daquela mulher.


De entrada comemos algumas vieiras, depois sardinhas na brasa e finalmente o Santo Bacalhau ! Ah que maravilha de bacalhau... nem a melhor receita feita por minha avó chegava perto de tão deliciosa que estava aquela comida.  Alguns vinhos verdes,....  umas taças,... outras,.... mais outras.... Musica local... E fui-me dançar com Mariza que trajava um vestido lindo.


Enquanto dançava com Mariza, não resisti a encostar meu corpo ao dela e sentir aquele delicioso contorno daquela irresistível mulher.  Claro,... salão à meia luz seduzia qualquer vivente... Um beijo. Outro beijo... Olhei fixamente aos olhos de Mariza e não precisávamos dizer mais nada. Dançamos mais um pouco, terminamos nosso jantar e fomos embora.


- Hoje, tu não vais dormir em casa de teus primos. Tu vais vais dormir a minha casa. Vou te tratar bem... Fica tranquilo.
- Eu tremia... Não sei se de medo, ou por causa do vinho, da temperatura local,... ou , de verdade, da formosura de Mariza que mostrou-se também apaixonada e tomava a iniciativa de levar-me ao seu leito.


Manhã seguinte, quase meio dia, cheguei à Quinta.


- Primo brasuca ! A essa hora ? Perdeste o caminho e voltastes a pé ?
- Primo Antonio,... nem te conto o que aconteceu-me. Um verdadeiro conto de fadas. Estou apaiaxonado pela portuguesa Mariza. Acho que não volto mais para minha terra. Encontrei o amor que eu tanto procurava....


Mariza voltou naquela tarde para me buscar e conhecer a cidade... Os dias se passaram... Bem,... não vou contar mais nada porque Mariza é a mulher de minha vida e eu continuo amando essa mulher todos os dias.... !


Viva Portugal ! Viva o amor.... o meu amor em Portugal !


Mariza, desculpe contar tudo aqui,... Eu te amo !


-   o   -

escrito por:  Raul de Abreu Neto

Um comentário:

  1. sandra brunow freitas24 de setembro de 2010 20:53

    Raul.
    Primeiro, só ao ler sobre as comidas........ que fome !!!!!!!
    Você deve ser muito romântico....
    Volta para Portugal... ou a Mariza é uma bela brasileira.......
    Fiquei apaixonada. Amei e parabéns.
    Bjsssssss

    ResponderExcluir