segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

HISTÓRIA INACABADA DE OLGA CARASIKI


Esta é uma das muitas histórias muito comoventes que fazem com que as pessoas, solidárias e sensíveis aos problemas humanos, emocionem-se no primeiro momento e sintam-se como personagem principal da mesma, buscando a todo instante encontrar um final feliz, pois eis que haverá um final feliz!


Começa na Rússia no inicio de 1900.

Uma família de judeus, perseguida pelo preconceito, decidiu fugir em busca de um lugar de paz onde pudesse finalmente ser feliz e mais tarde trazer o restante de sua família que ficou na Europa. Considere-se ainda que os judeus tinham que cumprir o duro Serviço Militar, correndo risco de servirem por um período de até 25 anos, como mero soldados, sem nunca concorrerem a postos de destaque, ou seja, de oficiais.

Foi escolhido o Brasil.

Assim, os dois irmãos mais velhos, Martin Carasik com aproximadamente 15 anos de idade e Isaac Carasik com 11 anos, deixaram o porto de Riga – Rússia, atualmente Letônia, e vieram para o Brasil em 1902.

Não há registro de onde eles desembarcaram, havendo suspeitas sobre Santos (SP), ou Salvador (Ba).

Nesse mesmo período foram para a cidade de Varginha, onde havia uma família da comunidade judaica que acolheu-os e deu-lhes emprego em uma loja.

Havia na Rússia, um contrato entre a família de Martin e de uma moça, também judia - Rosa Morjsowich, que os dois deveriam se casar para cumprir um acordo familiar. Rosa veio depois, não se sabe a data, com mais 2 irmãs com o mesmo objetivo de “contrato familiar” (casamento). Martin, para cumprir esse acordo familiar, quando completou 18 anos, em 1905, casou-se com Rosa, mas não se sabe exatamente em que cidade e em que data, pois não há documentos.

O casal Martin e Rosa, mudou-se para a Argentina, provavelmente em 1906. Isaac continuou morando em Varginha sob os cuidados da família judia que o tinha acolhido e, mais tarde, constituiu uma família, com oito filhos e tornou-se proprietário dessa loja.

Na Argentina, o casal Martin e Rosa, teve seu primeiro filho em 1908, na cidade de Rosário – província de Santa Fé o qual foi batizado com o nome de CARASUK SAMUEL ISAAC. Há registro de nascimento desse filho.Em 1910, tiveram uma filha com o nome CARASIK JUANA, também em Rosário – Argentina. Há registro de nascimento dessa filha.

ONDE E QUANDO NASCERAM OLGA E ARMANDO ???

Tiveram uma nova filha, provavelmente em 23/10/1911, embora não haja registro do local e data de seu nascimento, que recebeu o nome de OLGA SAVINA CARASIK. Tiveram também outro filho, com data de nascimento de 14/01/1912, com o nome de ARMANDO CARASIK.

Também não há registro de nascimento de Armando.

Estranha-se que esses dois irmãos não têm certidão de nascimento, mas, em documentos de Registro Civil de casamento dos dois, expedidos pela Argentina, constam que ambos são filhos do casal Martin e Rosa sendo que OLGA teria nascido em Riga – na Rússia em 23/10/1911 e ARMANDO no Estado de São Paulo, em 14/01/1912.

Oras não é possível, por uma questão de natureza biológica que uma mulher tenha filhos com diferença de apenas 3 meses. E também naquela época não havia transporte tão rápido, de forma que um filho nascesse na Rússia e logo em seguida o outro no Brasil.

Por relatos dos parentes, durante cerca de 30 anos, MARTHA KLINKOWICZ CARASIK, a neta de MARTIN e filha de OLGA, residente em Buenos Aires – Argentina ficou sabendo que MARTIN e sua esposa ROSA, mudaram-se para o Brasil em 1911 e foram morar na cidade de PRESIDENTE PRUDENTE.

Entretanto, considerando que Martin era comerciante, ele viajava constantemente por várias cidades no Brasil e inclusive para o exterior na América do Sul, mas não na Europa.

OLGA, com meses, ainda bebê, foi deixada na casa de uma Senhora de nome Tina, de uma família rica de militares em Rosário – Argentina, onde ficou até os 8 anos de idade, quando voltou a morar com sua mãe e os quatro irmãos. Lembrava que fazia serviços de “servente” na referida casa. Nunca entendeu porque foi tratada com tanta diferença pelos pais Martin e Rosa, por ter sido a única a ser criada em outra casa até essa idade, apesar que os seus irmãos mais velhos, Juana e Isaac, justificavam que seus pais estavam passando por sérias dificuldades financeiras.

Em 15/03/1914, conforme Registro oficial argentino, o casal Martin e Rosa teve a ultima filha, de nome CARASICHE BERTA, na cidade de Rosário – Argentina. Consta que o casal estava de passagem pela Argentina nesse período, em função das atividades comerciais de Martin.

Pouco tempo depois do nascimento dessa filha, Martin abandonou Rosa, não se sabe o motivo, deixando Rosa em situação extremamente difícil na Argentina, com uma filha recém-nascida e mais outros 4 filhos muito pequenos.

Há um segredo familiar que não foi até hoje revelado sobre a separação de Martin com Rosa. Menos ainda sobre porque motivo OLGA foi deixada na casa de Tina por 8 anos.

Sabe-se que Martin abandonou sua família, não se sabe a data exata, porém há registro que ele contraiu um novo matrimônio no Uruguai em 04/02/1915 com a Sra. MARIA GERTRUDES PEÑA ARAGÓN, espanhola de Andaluzia, com quem ele morou até sua morte que ocorreu em 20/09/1944 na cidade do Rio de Janeiro.

Com essa Sra. Maria Gertrudes, ele teve outros cinco (5) filhos no Brasil, que foram devidamente registrados em cartórios nas cidades onde nasceram, a saber: ANA CARACIK – nascida em Salvador (Ba), em 1916 e falecida ainda bebê; MANOEL CARACIK – nascido em Salvador (Ba), em 1917 e falecido em 1949 no Rio de Janeiro - cemitério do Caju; SARAH CARACIK – nascida em Presidente Prudente (SP), em 25/08/1919 e falecida em 2001 no Rio de Janeiro – cemitério do Caju; ESTHER CARACIK – nascida em Varginha (MG) em 31/08/1924 e falecida em 04/01/2007 no Rio de Janeiro – cemitério do Caju; LEONEL CARACIKI – nascido em Presidente Prudente (SP) entre 1925 e 1927 e falecido em 1995 no Rio de Janeiro – cemitério do Caju (foi o 1º Presidente da AGAPE – Associação Guanabariana de Administração de Pessoal) – também foi Diretor da Empresa Shell no Rio de Janeiro.

A Sra. MARIA GERTRUDES, faleceu em 1973 na cidade do Rio de Janeiro e foi enterrada no cemitério do Caju, conforme o desejo de MARTIN para que todos estivessem juntos em seu final.

OLGA, durante toda sua vida tentou desvendar, sem sucesso, todo esse mistério que envolvia o seu nascimento e também de seu irmão ARMANDO. Antes de morrer pediu a sua filha MARTHA que continuasse essa busca.

Martha assumiu esse compromisso e durante os últimos 30 anos esteve visitando várias cidades na Argentina, na cidade de São Paulo, Rio de Janeiro e Montevidéu no Uruguai, colhendo informações verbais e documentais. Na Europa, tentando descobrir se sua mãe teria nascido mesmo na Russia, mas nada encontrou pois devido às guerras muita documentação foi perdida.

Pelas informações colhidas em todas suas pesquisas, Martha acredita que as respostas para desvendar esse mistério serão encontradas no Brasil, em especial nas cidades de Presidente Prudente, Varginha ou Pelotas, cidades onde seus avós – MARTIN e ROSA, e ainda MARTIN e MARIA GERTRUDES moraram.

No Brasil há muitos descendentes de MARTIN e Maria Gertrudes. Somente Martha conheceu os tios enquanto vivos e alguns dos atuais netos e bisnetos que moram em diferentes cidades do Estado de São Paulo e do Rio de Janeiro.

MARTIN CARASIK e seu irmão ISAAC CARASIK não conseguiram trazer seus pais da Rússia mas deixaram no Brasil muitos descendentes, que formaram-se médicos, engenheiros, psicanalistas, etc., entre os quais um ilustre físico e cientista – LEONEL CARACIKI, nascido em Presidente Prudente. (vide Google) e falecido no Rio de Janeiro em 1995.

Pede-se às pessoas dessas cidades mencionadas - Presidente Prudente, Varginha ou Pelotas, que eventualmente leiam esta, que ajudem a concluir esta história, investigando no Cartório de Registro Civil de suas cidades se Olga e Armando constam ter nascido em uma delas.

Martha Carasik esteve em São Paulo desde o dia 11/10/2007 até 15/11/2007.

Se alguém conhecer alguma informação, favor contatar diretamente a Sra. Martha através do email:


PS:  Lamento informar que contatei as Federações Israelitas do Brasil com sede em São Paulo, Belo Horizonte e Rio de Janeiro e não consegui ajuda de nenhuma dessas Federações Israelitas.

Em São Paulo limitaram-se a dizer que a interessada deveria procurar o Museu da Imigração em São Paulo, sem demonstrar nenhum outro interesse.

Em Belo Horizonte, informaram que a interessada deveria procurar informações junto à Federação Israelita da Argentina.

A Federação Israelita do Rio de Janeiro nem teve o trabalho de responder meus emails, apesar que LEONEL CARACIKI, irmão de Olga Karasiki, foi um grande Diretor da Shell do Brasil no Rio de Janeiro e uma celebridade nacional.

Não sou judeu, mas meu pai e tios foram voluntários combatentes durante a Segunda Guerra Mundial em favor da libertação do povo Judeu.

Raul de Abreu Neto

2 comentários:

  1. Claudia disse...
    Eu sou mãe de Leonel Victor Soares Caraciki. Fui companheira de Leonel Caraciki, e falávamos muito a respeito do Sr.Martin Caraciki.
    Leonel Victor, não sei porque, digo isso porque ninguém conhece o designos de Deus, pesquisa Holocausto
    e frequenta o Hiley uma Instituição Judaica. Também já esteve em Israel.Irá em julho a Polonia
    Gostaria muito de manter contato.
    19 DE JUNHO DE 2009 19:38

    ResponderExcluir
  2. Sra. Claudia: não sei o seu email para que nos falemos sobre o assunto. Favor informar para o meu email:

    rabreusp@hotmail.com

    grato, Raul Abreu

    ResponderExcluir